quarta-feira, 19 de julho de 2017

St. John's College, Oxford
Cidade vs. Beca II

O Uber local

Até dois dias atrás, eu não sabia que tinha uma cozinha.

Yoga de Penrose - procurando quase-simetrias
Quando cheguei aqui só pensava no banho que iria tomar e na cama em que iria deitar. Me identifiquei aos porters do St. John's, e um deles gentilmente me levou até o meu apartamento, a cerca de 50 metros de distância do college. Para visitantes, este número é importante, pois a antiguidade da habitação, e portanto a quantidade e qualidade de confortos modernos, varia em proporção inversa com a distância. Assim, estas oscilam entre monásticos quartinhos literalmente medievais dentro do college, a apartamentos vitorianos logo ao lado, ainda com banheiro e/ou cozinha compartilhados, até apartamentos razoavelmente modernos a uma dúzia de minutos de distância.

Fiquei com a segunda opção. Um prédio honesto com combinações um tanto idiossincráticas de privadas, banheiras e chuveiros distribuídos entre seus três andares, cada um com dois ou três apartamentos.

Perguntei ao meu guia se havia uma cozinha no prédio. Ele disse não ter certeza e, na pressa, deixei por isso mesmo. Sem notar, tomei de forma implícita a possível ausência como um fato estabelecido.

Punting
Ontem, duas semanas depois de chegar, voltei para casa tarde, e notei acesa a luz da janela logo acima da entrada. 'Que curioso', - pensei, - 'o cidadão faz coleção de panelas...'


Enquanto procurava por minhas chaves, finalmente conclui que esta não era, afinal, a explicação mais provável. Subindo as escadas, vi então que a porta correspondente não tinha número, ao contrário de todas as outras que lhe eram nos outros aspectos indistinguíveis. Do outro lado, a cozinha.

Hoje vai ter carbonara...








Punting 2 - quase em linha reta


Continue lendo...>>

quinta-feira, 6 de julho de 2017

St. John's College, Oxford
Cidade vs. Beca I

As vezes é preciso contar meus planos para alguém mais de uma vez. Não porque meus interlocutores seja estúpidos ou desatentos, mas simplesmente porque o que pretendo fazer parece implausível demais para ser verdade.

Home sweet home (por 3 semanas)
Estarei em Oxford por 3 semanas, dividindo o meu tempo entre o departamento de 'Fisiologia, Anatomia e Genética', por um lado, e o Instituto de Matemática, por outro, enquanto tento entender como neurônios se formam e migram. Como nada nesta cidade é simples ou cartesiano, sou hospede do St. John's College, que intersecciona mas nem se sobrepõe ou se superpõe aos departamentos supracitados. Vim a convite do Prof. Zoltan Molnar, que na SfN de San Diego em 2016 marchou até onde eu apresentava meu poster e simplesmente me perguntou - 'Você é o Bruno? Quer passar um mês em Oxford ano que vem?"

"Claro! Em Julho eu apareço com minha bicicleta"

Ele ficou feliz com o aceite, e ignorou a menção à bicicleta. Obviamente um chiste, deve ter pensado

Ao se aproximar a data, discutimos a hospedagem. "Eu só preciso de espaço para mim e minha bicicleta", eu disse.

Quase no dia de viagem, combinamos horários. Expliquei que chegaria cedo pela manhã em Heathrow e demoraria cerca de 6-7 horas pedalando até chegar.

Pronto para rodar
Pousei em Heathrow. Fui até sua extremidade ocidental, comprei um cartão telefônico local, montei a bicicleta, ajustei a bagagem no bagageiro, e sai pedalando. Cheguei em Oxford no horário combinado. Peguei minha chave e me instalei, e fui me encontrar com o Zoltan para jantar. Conversa agradável, indo e voltando, e começo a falar da vinda. Após alguns minutos, finalmente ele tem a epifania: "Você veio pedalando do aeroporto?!" - Tentei protestar, mencionar que já havia explicado meus planos, etc. - "VOCÊ É DOIDO! Nunca ouvi de alguém que tenha feito isso".

Passado o espanto, o jantar transcorreu normalmente. Mas nos dias seguintes, sempre que eu era apresentado a alguém, era com variações sobre o tema "Bruno, do Brasil/Rio. Ele é físico, e veio pedalando desde Heathrow em uma bicicleta dobrável!"

Termino mencionando que não é a primeira vez que faço isso. Já pedalei até Reading a partir de Heathrow, e até Oxford a partir de Londres. É bastante mais direto e racional (para não falar barato) do que pegar um trem para Londres, e outro na direção oposta logo em seguida. Desta vez a viagem foi agradável e sem maiores percalços (exceto pelas inexplicáveis esculturas de coelhos antropomórficos que encontrei em uma fazenda perto de Marlow). Fui seguindo por estradas secundárias, trilhas rurais e ocasionais picadas,  parando em pubs locais para as várias refeições de hobbit que um passeio destes requer.
Usem a criatividade

Continue lendo...>>

terça-feira, 4 de julho de 2017

United Club, Aeroporto Intercontinental de Houston
Pegando aviões II





Preciso de muito pouca bagagem para viajar. A minha bicicleta dobrável e o meu laptop quase bastam. A caminho de passar o mês de julho inteiro na Inglaterra, mandei, portanto, a dita cuja para a revisão. Foi quando o dito cujo parou de funcionar.

Por razões complicadas demais para expor aqui, a assistência técnica capaz de me ajudar fica em BH. A uma semana da viagem, levei para lá o paciente, e aproveitei para passar o fim de semana com a família. Mas o reparo só foi concluído no sábado, as vésperas da viagem na 2a.

Após examinar e descartar diversas opções com graus crescentes de heterodoxia, consegui construir uma gambiarra multimodal onde o laptop foi trazido pelo técnico até a casa da minha tia, de onde foi levado por meu pai até a casa do irmão da Indhira, que foi de carro até Juiz de Fora, onde cheguei de ônibus para resgatá-lo no domingo a noite. Cheguei em casa em casa as 5 para uma soneca, e no fundão as 8 para aplicar uma prova. O resto do dia foi a correria jejúnica pré-jornada de sempre enquanto eu tentava terminar tudo que havia sido procrastinado antes de embarcar.

A Linha Vermelha - Imagem meramente ilustrativa
A corrida  do Uber foi merecedora do nome. Passando por alguns atalhos desconhecidos pelo Waze para evitar uma linha vermelha quase parada, fiz o checkin as 19:39. Para um vôo as 20:40. Cujo sistema para de aceitar passageiros com menos de uma hora de antecedência.

Andando com pressa para trocar dinheiro, passar pela segurança e fila de passaporte, acabei indo para o portão errado (distante um dígito e 600 metros do correto). Foi quando ouvi meu nome sendo anunciado.

Não foi a primeira vez que passei por isso. Em geral, quem é chamado é o último a embarcar, sob olhares de reprovação da tripulação de terra e transeuntes aeronáuticos locais. Ou perde o avião.

Fui correndo, mochila pesada nas costas, até o portão. Cheguei esbaforido e semi-coerente, e demorei um pouco para notar que uma nutrida fila de passageiros ainda esperando para embarcar. 'Não precisa correr', disse o atendente - 'Eu lhe chamei por uma boa razão. Você ganhou um upgrade.'

Imagem meramente ilustrativa
Não vou dizer que viajar de classe executiva é o meu sonho aeronáutico. O meu sonho aeronáutico é tocar um sinete e anunciar casualmente: 'Jarbas, prepare o jato'. Mas na falta deste ultimo, aceito a classe executiva de bom grado.

Comer uma carne suculenta e um sundae feito sob medida vale a pena. Vale mais a pena dormir em uma superfície horizontal em um vôo de longa distância.

Pousando em Houston (minha conexão para Londres, por razões complexas demais para explicar aqui), fui o primeiro na fila da imigração, onde fui entrevistado por uma simpática policial ('Graças a Deus você ganhou o upgrade'; 'Então existem físicos que acreditam em Deus? A gente aprende uma coisa nova a cada dia'). Menos simpático foi segundo policial, que na saída do saguão de bagagens me mandou bater um papo camarada no secondary screening com terceiro policial, este positivamente antipático.

Imagem meramente ilustrativa
Aparentemente cético a respeito do meu itinerário, ele me interrogou sobre onde ia, de onde vinha, e digitou o equivalente a meia novela russa em seu terminal de segurança. Ficou encucado com meu capacete, apalpou minha bicicleta, revistou minha mochila, e olhou feio para o meu caderno de notas ('Neuronomicon'), e mais feio ainda para sua capa com o pentagrama circundado por neurônios.

Abrindo o caderno, ele examinou cuidadosamente, página a página, cada equação, diagrama, lista de compras e mapa de RPG. 'O que você faz?' - Perguntou. Mas logo abandonou a linha investigativa após ouvir sobre invariância de escala e neuroanatomia comparada.

Cthulhu Ackbar!
Após mais alguns minutos, ele decidiu que eu não apresentava ameaças a nada além da sanidade alheia, e me liberou para vagar por horas pelo aeroporto até embarcar de novo. Me refugiei no United Club (outra vantagem do upgrade), onde tenho internet, sofá, chuveiro e um buffet de café da manhã/lanche. Trabalhei por alguma horas excepcionalmente produtivas (até decidir postar no blog...). O plano amanhã é, chegando cedo em Heathrow, sair pedalando direto para Oxford. Mas esta é outra história



Não seu guarda, este não é um croqui de Camp David...













Continue lendo...>>