domingo, 19 de novembro de 2017

UA 511, Espaço aéreo entre Boston e Washington
Nunca se sabe, quando se voa United






UPDATE: Até que a United foi bem razoável na sua resposta. Eles reconheceram o erro, pediram desculpas e me devolveram o dinheiro

Quando o policial me perguntou, no aeroporto em Houston em julho deste ano, por que eu levava um capacete preso à minha mochila, eu quase respondi: "Quando se viaja United, nunca se sabe". Pensava obviamente no passageiro que havia sido arrastado de um avião da empresa por razões estupidas. Só não fiz a piada, após profunda consideração, pela notória falta de senso de humor e mentalidade literal de seguranças de aeroporto.

Hoje eu volto para o Brasil; saindo de Boston, faço conexão em Washington e São Paulo, e chego no Rio amanhã. Mas ao tentar fazer meu check-in em Boston, só conseguia pensar em como a piada acima subitamente parecia menos engraçada.

Sempre viajo com minha bicicleta dobrável. Ela cabe em uma mala, dentro dos limites de peso e tamanho da United e outras companhias. E normalmente viajo pela United, sem problemas ou taxas adicionais. A política explícita da empresa permite o seu embarque como bagagem regular*, e seria irracional tratar de forma diferente uma bagagem que, para todos os efeitos práticos para a empresa, é indistinguível das demais.

Mas não existe argumento, fato ou bom senso que demova um ser humano pensante depois que este decidiu se tornar um autômato cumpridor literal de regras que não escreveu nem entende. Eu não tinha acesso a internet, e os funcionários em Boston aparentemente não possuem as habilidades elementares de compreensão de texto. Eles me fizeram retirar a bicicleta de sua mala, desdobrá-la, e colocá-la em uma caixa de papelão ('vendida' por módicos U$25), enorme e de aparência frágil, que obviamente foi pensada para guardar uma bicicleta não dobrável de tamanho normal. E me fizeram pagar U$200 pelo privilégio.

Volto ao Brasil em breve, e espero que a equipe de atendimento ao cliente seja mais racional do que meu amigos bostonianos...

____________________
* I.e., "If the bicycle(s) are packed in a container that is less than 50 pounds (23 kg) and 62 (158 cm) total linear inches (L + W + H), there is no bicycle service charge"

Por que viajar assim...
...se você pode viajar assim?

Continue lendo...>>

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Mount Vernon Convention Center, Washington DC
AC em DC

Luz e sombra
Estou em DC, mais uma vez para uma reunião da SfN. Já virei freguês; tenho restaurantes, livrarias e Smithsonians favoritos, e consigo pedalar pela cidade sem muita ajuda de mapas.

Não tive ou terei muito tempo livre desta vez. Mas na 6a, quando cheguei, eu tinha algumas horas antes do meu AirBnB estar disponível. Sob um céu sem nuvens e muito frio, fui pedalar pelo Mall. Visitei o (muito interessante e importante) Smithsonian de historia e cultura afro-americana, passei pelo memorial da guerra da Coreia, comprei uns livros e fui comendo um almoço intermitente em food trucks pelo caminho.

Na SfN propriamente dita, não há muito o que relatar. Apresentei meu poster no primeiro dia, meu simpósio no último (hoje), e passei mais tempo falando com colaboradores (atuais, futuros e em potencial) e pessoas interessantes em geral do que propriamente ouvindo palestras. Meus almoços eram em Chinatown, e transformava em jantares as várias bocas-livres em socials da SfN. Neste sentido, o baile presidencial foi particularmente nababesco; e o Meet the Editors da Science, além da boa comida, tinha um certo ar de gift shop de parque temático. Entre autores fazendo lobby por seus artigos e as filas no open bar, era possível coletar canetas da Science. Post-its da Science. Conectores USB da Science. Baralhos da Science. Protetores labiais da Science. Pastilha de menta da Science. Paninhos de limpar tela da Science. Não vi bonecos de pelúcia e orelhas de camundongo com o indefectível logotipo, mas acho que é só uma questão de tempo.


Pyonyang or bust
Psiu jovem... Você já experimentou... Tensores?

Continue lendo...>>

quarta-feira, 19 de julho de 2017

St. John's College, Oxford
Cidade vs. Beca II

O Uber local

Até dois dias atrás, eu não sabia que tinha uma cozinha.

Yoga de Penrose - procurando quase-simetrias
Quando cheguei aqui só pensava no banho que iria tomar e na cama em que iria deitar. Me identifiquei aos porters do St. John's, e um deles gentilmente me levou até o meu apartamento, a cerca de 50 metros de distância do college. Para visitantes, este número é importante, pois a antiguidade da habitação, e portanto a quantidade e qualidade de confortos modernos, varia em proporção inversa com a distância. Assim, estas oscilam entre monásticos quartinhos literalmente medievais dentro do college, a apartamentos vitorianos logo ao lado, ainda com banheiro e/ou cozinha compartilhados, até apartamentos razoavelmente modernos a uma dúzia de minutos de distância.

Fiquei com a segunda opção. Um prédio honesto com combinações um tanto idiossincráticas de privadas, banheiras e chuveiros distribuídos entre seus três andares, cada um com dois ou três apartamentos.

Perguntei ao meu guia se havia uma cozinha no prédio. Ele disse não ter certeza e, na pressa, deixei por isso mesmo. Sem notar, tomei de forma implícita a possível ausência como um fato estabelecido.

Punting
Ontem, duas semanas depois de chegar, voltei para casa tarde, e notei acesa a luz da janela logo acima da entrada. 'Que curioso', - pensei, - 'o cidadão faz coleção de panelas...'


Enquanto procurava por minhas chaves, finalmente conclui que esta não era, afinal, a explicação mais provável. Subindo as escadas, vi então que a porta correspondente não tinha número, ao contrário de todas as outras que lhe eram nos outros aspectos indistinguíveis. Do outro lado, a cozinha.

Hoje vai ter carbonara...








Punting 2 - quase em linha reta


Continue lendo...>>

quinta-feira, 6 de julho de 2017

St. John's College, Oxford
Cidade vs. Beca I

As vezes é preciso contar meus planos para alguém mais de uma vez. Não porque meus interlocutores seja estúpidos ou desatentos, mas simplesmente porque o que pretendo fazer parece implausível demais para ser verdade.

Home sweet home (por 3 semanas)
Estarei em Oxford por 3 semanas, dividindo o meu tempo entre o departamento de 'Fisiologia, Anatomia e Genética', por um lado, e o Instituto de Matemática, por outro, enquanto tento entender como neurônios se formam e migram. Como nada nesta cidade é simples ou cartesiano, sou hospede do St. John's College, que intersecciona mas nem se sobrepõe ou se superpõe aos departamentos supracitados. Vim a convite do Prof. Zoltan Molnar, que na SfN de San Diego em 2016 marchou até onde eu apresentava meu poster e simplesmente me perguntou - 'Você é o Bruno? Quer passar um mês em Oxford ano que vem?"

"Claro! Em Julho eu apareço com minha bicicleta"

Ele ficou feliz com o aceite, e ignorou a menção à bicicleta. Obviamente um chiste, deve ter pensado

Ao se aproximar a data, discutimos a hospedagem. "Eu só preciso de espaço para mim e minha bicicleta", eu disse.

Quase no dia de viagem, combinamos horários. Expliquei que chegaria cedo pela manhã em Heathrow e demoraria cerca de 6-7 horas pedalando até chegar.

Pronto para rodar
Pousei em Heathrow. Fui até sua extremidade ocidental, comprei um cartão telefônico local, montei a bicicleta, ajustei a bagagem no bagageiro, e sai pedalando. Cheguei em Oxford no horário combinado. Peguei minha chave e me instalei, e fui me encontrar com o Zoltan para jantar. Conversa agradável, indo e voltando, e começo a falar da vinda. Após alguns minutos, finalmente ele tem a epifania: "Você veio pedalando do aeroporto?!" - Tentei protestar, mencionar que já havia explicado meus planos, etc. - "VOCÊ É DOIDO! Nunca ouvi de alguém que tenha feito isso".

Passado o espanto, o jantar transcorreu normalmente. Mas nos dias seguintes, sempre que eu era apresentado a alguém, era com variações sobre o tema "Bruno, do Brasil/Rio. Ele é físico, e veio pedalando desde Heathrow em uma bicicleta dobrável!"

Termino mencionando que não é a primeira vez que faço isso. Já pedalei até Reading a partir de Heathrow, e até Oxford a partir de Londres. É bastante mais direto e racional (para não falar barato) do que pegar um trem para Londres, e outro na direção oposta logo em seguida. Desta vez a viagem foi agradável e sem maiores percalços (exceto pelas inexplicáveis esculturas de coelhos antropomórficos que encontrei em uma fazenda perto de Marlow). Fui seguindo por estradas secundárias, trilhas rurais e ocasionais picadas,  parando em pubs locais para as várias refeições de hobbit que um passeio destes requer.
Usem a criatividade

Continue lendo...>>

terça-feira, 4 de julho de 2017

United Club, Aeroporto Intercontinental de Houston
Pegando aviões II





Preciso de muito pouca bagagem para viajar. A minha bicicleta dobrável e o meu laptop quase bastam. A caminho de passar o mês de julho inteiro na Inglaterra, mandei, portanto, a dita cuja para a revisão. Foi quando o dito cujo parou de funcionar.

Por razões complicadas demais para expor aqui, a assistência técnica capaz de me ajudar fica em BH. A uma semana da viagem, levei para lá o paciente, e aproveitei para passar o fim de semana com a família. Mas o reparo só foi concluído no sábado, as vésperas da viagem na 2a.

Após examinar e descartar diversas opções com graus crescentes de heterodoxia, consegui construir uma gambiarra multimodal onde o laptop foi trazido pelo técnico até a casa da minha tia, de onde foi levado por meu pai até a casa do irmão da Indhira, que foi de carro até Juiz de Fora, onde cheguei de ônibus para resgatá-lo no domingo a noite. Cheguei em casa em casa as 5 para uma soneca, e no fundão as 8 para aplicar uma prova. O resto do dia foi a correria jejúnica pré-jornada de sempre enquanto eu tentava terminar tudo que havia sido procrastinado antes de embarcar.

A Linha Vermelha - Imagem meramente ilustrativa
A corrida  do Uber foi merecedora do nome. Passando por alguns atalhos desconhecidos pelo Waze para evitar uma linha vermelha quase parada, fiz o checkin as 19:39. Para um vôo as 20:40. Cujo sistema para de aceitar passageiros com menos de uma hora de antecedência.

Andando com pressa para trocar dinheiro, passar pela segurança e fila de passaporte, acabei indo para o portão errado (distante um dígito e 600 metros do correto). Foi quando ouvi meu nome sendo anunciado.

Não foi a primeira vez que passei por isso. Em geral, quem é chamado é o último a embarcar, sob olhares de reprovação da tripulação de terra e transeuntes aeronáuticos locais. Ou perde o avião.

Fui correndo, mochila pesada nas costas, até o portão. Cheguei esbaforido e semi-coerente, e demorei um pouco para notar que uma nutrida fila de passageiros ainda esperando para embarcar. 'Não precisa correr', disse o atendente - 'Eu lhe chamei por uma boa razão. Você ganhou um upgrade.'

Imagem meramente ilustrativa
Não vou dizer que viajar de classe executiva é o meu sonho aeronáutico. O meu sonho aeronáutico é tocar um sinete e anunciar casualmente: 'Jarbas, prepare o jato'. Mas na falta deste ultimo, aceito a classe executiva de bom grado.

Comer uma carne suculenta e um sundae feito sob medida vale a pena. Vale mais a pena dormir em uma superfície horizontal em um vôo de longa distância.

Pousando em Houston (minha conexão para Londres, por razões complexas demais para explicar aqui), fui o primeiro na fila da imigração, onde fui entrevistado por uma simpática policial ('Graças a Deus você ganhou o upgrade'; 'Então existem físicos que acreditam em Deus? A gente aprende uma coisa nova a cada dia'). Menos simpático foi segundo policial, que na saída do saguão de bagagens me mandou bater um papo camarada no secondary screening com terceiro policial, este positivamente antipático.

Imagem meramente ilustrativa
Aparentemente cético a respeito do meu itinerário, ele me interrogou sobre onde ia, de onde vinha, e digitou o equivalente a meia novela russa em seu terminal de segurança. Ficou encucado com meu capacete, apalpou minha bicicleta, revistou minha mochila, e olhou feio para o meu caderno de notas ('Neuronomicon'), e mais feio ainda para sua capa com o pentagrama circundado por neurônios.

Abrindo o caderno, ele examinou cuidadosamente, página a página, cada equação, diagrama, lista de compras e mapa de RPG. 'O que você faz?' - Perguntou. Mas logo abandonou a linha investigativa após ouvir sobre invariância de escala e neuroanatomia comparada.

Cthulhu Ackbar!
Após mais alguns minutos, ele decidiu que eu não apresentava ameaças a nada além da sanidade alheia, e me liberou para vagar por horas pelo aeroporto até embarcar de novo. Me refugiei no United Club (outra vantagem do upgrade), onde tenho internet, sofá, chuveiro e um buffet de café da manhã/lanche. Trabalhei por alguma horas excepcionalmente produtivas (até decidir postar no blog...). O plano amanhã é, chegando cedo em Heathrow, sair pedalando direto para Oxford. Mas esta é outra história



Não seu guarda, este não é um croqui de Camp David...













Continue lendo...>>

domingo, 10 de julho de 2016

Estação ferroviária, Halmstad, Suécia
Imprevistos e improvisos



Terminada a FENS em Copenhagen, fui pedalar. Para o norte, ao longo da costa leste da (velha) Zeländia. Até a Helsingor dinamarquesa, e de lá por balsa até a sua imagem no espelho, a Helsingborg sueca, nos arredores da qual fica a fazenda em que me hospedaria (couchsurfing!).

Fui na FENS pela manhã. A saída de Copenhagen foi no começo da tarde, atrasado pela mesma chuva insistente que não deu trégua durante toda a semana. Parti finalmente sob chuvisco; mas antes de sair da cidade um vento norte forte, que iria continuar durante todo o dia, limpou as nuvens. Isto tornou o passeio ao mesmo mais agradável (mais seco e fotogênico) e mais penoso (pedalar contra o vento é como subir um morro pouco íngreme, mas que nunca acaba).

O cascalho deve ser só neste trecho

A parte dinamarquesa do caminho inicialmente segue pelo litoral, ao longo de uma auto-estrada, até se separar em uma via dedicada, passando por florestas e vilas pitorescas com telhados de sapé. Após uma breve viagem de balsa (e um novo amigo de facebook e um sanduiche de salmão defumado depois), e cheguei em Helsingborg, uma cidade de aparência agradável, mas que vi só de passagem. Uma dúzia de quilômetros em estradas rurais depois, cheguei na fazenda da simpática família que iria me hospedar: Andreas, Julia e seu filho Alexander de 7 meses. Uma janta, algumas horas de conversa agradável e uma noite bem dormida em cama macia depois, era hora de continuar viagem. Acompanhado pela Júlia pelos primeiros quilômetros (alguns meses de ser mãe em tempo integral em uma zona rural, 
O cascalho deve recomeçar logo após estas pedras...
qualquer desculpa para sair de casa é bem-vinda), o plano do dia era seguir através de uma península até o farol de Kullen, a porta de entrada do mar Báltico, que tem existido de uma forma ou de outra desde o século XIII (anteriormente, e ocasionalmente posteriormente, os locais se sustentavam saqueando naufrágios). O gps me mandava seguir pela estrada que subia suavemente pela espinha central da península. Mas havia uma alternativa possivelmente mais agradável, segundo o mapa: Uma pequena trilha de dois quilômetros beirando a praia, que se liga a estrada principal através de uma conexão perpendicular já bem mais próximo do farol. Era só pegar um desvio em direção ao mar por alguns quilômetros.

Começando em um balneário local, a trilha começa como uma estreita faixa de asfalto a poucos metros do mar. Paisagem de fato agradável... Mas em breve o asfalto deu lugar ao cascalho. Que foi ficando mais grosso e irregular. Só mais um quilômetro, pensei. Não pode ser tão ruim...
Esta trilha não foi feita com bicicletas em mente...



O cascalho acabou em uma picada de pedras irregulares; as rodas da bicicleta escorregavam e era preciso descer e empurrar. Mas com certeza eu retornaria ao cascalho em breve... Certamente não havia como piorar.


As pedras iam se tornando mais irregulares, e a tal trilha neste ponto era mais uma sugestão otimista do que uma via trafegável. Eu me atinha a crença de que encontraria algo mais pedalável após cada curva e pedra. Foi neste estado de espirito em que cheguei na primeira escada escavada na rocha.

Passei os próximos 30 minutos com a bicicleta e toda a minha bagagem nos ombros, subindo laboriosamente cada degrau e tentando manter sob controle a decida de cada barranco, sob o olhar curioso dos ocasionais transeuntes que faziam o percurso sensatamente a pé.

Após enriquecer o vocabulário em português destes últimos com alguns comentários, digamos, contundentes sobre a sua geografia local, finalmente cheguei até um café a beira de praia. Uma praia com uma história um tanto escandalosa, descobri, tendo sido o primeiro lugar na Europa em que homens e mulheres podiam se banhar (vestidos!) juntos. A infâmia era tanta que aparentemente alguns dos visitantes seguiam pela minha trilha até a vila seguinte para que suas cartas não tivessem o carimbo dos correios de tão notório antro de corrupção carnal.

%$¨%#$!

Do café uma estrada asfaltada seguia até a crista da península, subindo em algumas centenas de metros tudo que a estrada principal sobe em alguns quilômetros. Mas pelo menos era a bicicleta a me carregar, e não o contrário.


A chegada ao farol foi, comparativamente, de uma tranquilidade parnasiana. O céu azul e o mar escuro sob o penhasco combinavam agradavelmente. Andei pelas pedras e cavernas, subi no farol, tomei sorvete e me preparei para partir de novo. A parte difícil estava para trás; com o vento nas costas e seguindo um caminho que mais descia que subia, fui pedalando na direção de Angelholm.

O sol brilhava, a brisa soprava e os pássaros cantavam quando, a 27 km da cidade, o aro traseiro da minha bicicleta decidiu se desintegrar. Desgastado por uma pastilha de freio já avançada em idade, cuja borracha havia adquirido a consistência de chiclete após uma semana de operação quase aquática na chuvosa Copenhagen, o aro se partiu em dois ao longo de sua linha média lateral. Eu viajo preparado para consertar quase tudo que pode dar errado em uma bicicleta; mas soldar alumínio ou carregar um disco de 40 cm de diâmetro como sobressalente é além do que sou capaz.

É uma ribanceira, mas pelo menos é asfaltada...

Consegui pelo menos tornar a bicicleta empurrável (mulo de carga nunca mais!), e fui seguindo a estrada até encontrar pessoas. Mediante pedido, uma senhora (bibliotecária aposentada, e nova amiga de Facebook) que passeava com o cachorro me deu uma carona até a loja de bicicleta de Hoganas, onde morava. A loja não tinha um aro do tamanho que eu precisava (podia encomendá-lo em uma semana!); mas em Angelholm era mais provável que eu tivesse sorte.

Fui de ônibus até lá. Já era tarde, e fui direto para a casa da minha host de couchsurfing, uma simpática hiponga da região. Na manhã seguinte, fui até a loja de bicicletas local. Eles tinham o aro, e o conserto ficaria pronto no final da tarde seguinte.
Fui para a cidade seguinte, Halmstad, de trem (as cidades são todas muito próximas, ainda mais pelo caminho direto dos trilhos, se comparado com o costeiro da ciclovia). Conheci a cidade e fui relaxar na praia, antes de me encontrar com o meu host local, um professor de artes márcias e movimento, antes de voltar para Angelholm para recuperar minha bicicleta. Mas me confundi quanto ao horário de fechamento da loja. Já não havia vivalma por lá. Era 6ª, e ela só reabriria na 2ª.
A praia escandalosa!


Fui salvo pela minha host, que fez um crowdsourcing no FB até encontrar o número do celular do dono da loja. Não entendi a conversa que se seguiu entre os dois, em sueco, exceto pelas ocasionais menções a ‘brasiliansk’ e ‘Londonisk’, ou algo assim. Mas o resultado final é que o mecânico da loja, um simpático kosovar chamado Benny, foi abrir a loja as 8 da noite, para que eu pudesse seguir viagem.







Preciso me lembrar de levar equipamento
para solda em alumínio na próxima viagem...
Na manhã seguinte pedalei definitivamente até um pouco além de Halmstadt, passando por Bastad, onde comprei e comi um piquenique pantagruelesco. O meu host me ensinou a preparar panquecas de banana, e conversamos sobre neurociência e artes marciais. Com todo o drama com a bicicleta, acabei perdendo um dia de ciclismo, mas não reclamo. Este tipo de contratempo faz parte deste tipo de viagem, e apesar de tudo as experiências resultantes foram interessantes, mesmo que inesperadas. Quando se viaja sozinho para um pais novo, e propelido pelas próprias pernas, é preciso estar pronto para o inesperado, e para se virar para resolver eventuais problemas que surjam pelo caminho. E, de qualquer forma, eu estava na Suécia, não no vale de Korenghal. O pior que poderia ter acontecido teria sido ser obrigado a chamar um Uber.




PS: No dia seguinte peguei um trem de volta a Copenhagen, de onde voei para Londres, e de lá para Newcastle, onde estou agora. Sem nenhum contratempo. Fico por aqui por 11 dias, trabalhando em uma colaboração científica. 
































[Deletar se nao usado]

Continue lendo...>>